Início Autores Posts por Alex Amaral

Alex Amaral

Alex Amaral
43 POSTS 15 COMENTÁRIOS
Graduado em Letras, leitor compulsivo, entusiasta das cervejas artesanais, fã de buchada de bode e apaixonado pelo glorioso Sport. Blogger, também, no site Canelada F.C.

Sport fica no empate com a Chapecoense e agrava clima interno

0

Diante de pouco público e sob muita pressão, Sport e Chapecoense entraram no gramado da Ilha do Retiro na luta pela reabilitação no Brasileirão 2018.

(Foto: Williams Aguiar/Sport)

A torcida pernambucana tinha alta expectativa nas mudanças que o treinador Claudinei Oliveira implementou. Entretanto, o Sport voltou a ser um time moroso e desorganizado taticamente. A Chapecoense soube explorar nossos erros e saiu na frente com gol de Wellington Paulista. Nos acréscimos da etapa final, Carlos Henrique empatou a partida, mas não minimizou a insatisfação do torcedor.

PRIMEIRO TEMPO

O jogo iniciou equilibrado e truncado pelo meio-campo. Com exceção de alguns cruzamentos na área, nenhum time conseguiu ameaçar o adversário até os 12 minutos. Após um chutão da defensiva da Chape, Osman escorou de cabeça e deixou nos pés do atacante Yann. Na sequência, ele deixou Deivid e Ronaldo Alves pra trás e cruzou pra Wellington Paulista abrir o placar.

O Sport demonstrou que sentiu o gol sofrido e não conseguiu articular jogadas ofensivas que conseguissem furar a forte defesa do time catarinense. Por outro lado, a defesa seguia confusa e desarticulada. Era tudo que a Chape queria! Com a vantagem no placar, eles esperaram o Sport subir para tentar contra-atacar em velocidade.

O Sport só conseguiu realmente ameaçar o gol adversário aos 34 minutos. Após cobrança de falta de Marlone, Fellipe Bastos subiu mais alto que todo mundo e cabeceou. A bola passou raspando a trave direita do goleiro Jandrei. Em seguida, novamente na bola parada pelo alto, Ronaldo Alves cabeceou forte, mas a bola quicou no gramado e saiu pela linha de fundo. Já nos acréscimos, mais uma jogada aérea foi finalizada por Fellipe Bastos de cabeça. Dessa vez, o goleiro defendeu sem dar rebote.

A primeira etapa terminou com muitas vaias da torcida e a sensação de que o Sport não conseguiu ser criativo nas jogadas ofensivas, nem tampouco seguro na defesa.

SEGUNDO TEMPO

Claudinei voltou pra etapa final com uma mudança radical: sacou o volante Deivid e colocou em seu lugar o atacante Rafael Marques. Com menos de três minutos, a mudança já se mostrou efetiva, pois aproximou os meias da área adversária. Após cruzamento de Sander, Carlos Henrique cabeceou pro meio e Gabriel chutou forte, mas a bola explodiu no volante Amaral. Aos sete, Gabriel recebeu uma outra bola após uma jogada aérea. O meia chutou com estilo, mas para fora.

O domínio das ações do jogo era todo do Leão no início do segundo tempo. Apesar disso, o repertório de jogadas ainda era muito curto, limitado a lançamentos longos e cruzamentos na área. Marlone era responsável pelas cobranças de bola parada. Aos 14, ele cobrou escanteio e Rafael Marques chegou na área em condições de finalizar, mas isolou a bola.

O treinador do Sport precisou mexer no time pra tentar mudar o cenário da partida. Mas as opções no banco de reservas não eram nada animadoras. Primeiro, Claudinei sacou Marlone e colocou Neto Moura no jogo. Em seguida, tirou Andrigo e acionou Hygor.

O Sport subiu com tudo, mas deixou espaços na defesa que a Chape tentou aproveitar. Aos 31, Canteros recebeu na entrada da área do Sport e chutou. Magrão espalmou pra fora. Após a cobrança de escanteio, Rafael Thyere finalizou com muito espaço na área e Magrão fez um milagre pra evitar o segundo gol dos visitantes.

A partida prosseguiu na mesma toada, com muita pressão do Sport, mas poucas chances reais de gol. Nos minutos finais, o Sport promoveu uma verdadeira blitz no ataque. Já nos acréscimos, Cláudio Winck cruzou da direita para a cabeçada certeira de Carlos Henrique que morreu no fundo das redes.

FIM DE PARTIDA

O empate tardio não amenizou a insatisfação do torcedor rubro-negro. O desempenho recente do Sport é lamentável e deixa evidente que essa partida não é um caso isolado. Um elenco limitado, sem motivação, com pouco empenho tático e sem comando técnico. Eis o caminho mais curto para o rebaixamento!

Já passou da hora de mudar os rumos pelas bandas da Ilha do Retiro.

FICHA DO JOGO

SPORT: Magrão; Claudio Winck, Ronaldo Alves, Ernando e Sander; Deivid (Rafael Marques), Fellipe Bastos, Gabriel, Andrigo (Hygor) e Marlone (Neto Moura); Carlos Henrique. Técnico: Claudinei Oliveira.

CHAPECOENSE: Jandrei; Eduardo, Douglas, Rafael Thyere e Bruno Pacheco; Amaral, Marcio Araujo e Elicarlos (Orzusa); Yann (Canteros), Osman (Bruno Silva) e Wellington Paulista. Técnico: Gilson Kleina.

GOLS: Wellington Paulista (Chapecoense – 12’ 1T); Carlos Henrique (Sport – 46’ 2T).

PÚBLICO: 6.787

[OPINIÃO] Objetivo inicial cumprido… Mas e agora?

0

ObjetivoObjetivo inicial cumprido… Mas e agora?

O objetivo inicial do Sport nesse Brasileirão nunca foi negado. Escapar de um rebaixamento que muitos consideravam iminente sempre foi o nosso foco. Entretanto, a chegada de Claudinei Oliveira e a mudança tática que ele promoveu apresentaram resultados que devolveram o ânimo até aos torcedores mais céticos.

Após quase um terço do campeonato concluído, estamos numa posição acima do que se esperava. Estar na metade superior da tabela dá ao Sport a gordura necessária para afastar riscos de rebaixamento e tranquilidade para buscar reforços pontuais.

Sobretudo, mais importe é aproveitar essa interemporada para aprimorar os treinamentos táticos. Não é segredo que Claudinei opta por um esquema tático reativo que não prioriza a posse de bola. Ao invés disso, busca aproveitar eventuais vacilos do adversário para encaixar um contra-ataque fulminante. Mesmo estando satisfeito com o aproveitamento e a atual classificação, sempre cabem algumas ressalvas a fazer.

Apesar do tom crítico, deixo claro que não defendo que nosso treinador abandone suas convicções e parta para outro estilo de jogo. Longe disso! Acredito que, levando-se em conta o atual elenco, esse esquema nos torna minimamente competitivos. Ousar demais, com o que temos de recursos humanos disponíveis, é suicídio.

O QUE AINDA PODE SER MELHORADO?

Já cumprimos o objetivo inicial e podemos dizer que temos um time minimamente competitivo. Agora, o desafio de Claudinei é aprimorar seu esquema tático. É óbvio que o 0x0 nunca é o que se espera de uma partida de futebol. E isso vale também pro esquema cauteloso de Claudinei.

A última partida deixou clara a dificuldade que o Sport tem em realizar a transição entre o bom posicionamento defensivo e a criação de jogadas rápidas que gerem chances de gol. Em outras palavras, até agora o trabalho de Claudinei está pela metade. A partir do momento que conseguirmos criar mais chances de gol por meio de jogadas treinadas, o time vai mudar de patamar definitivamente.

Por enquanto, o que vemos são esboços do que vem a ser um contra-ataque. Em grande medida, isso se deve ao fato de Gabriel não chamar para si a armação do jogo. Sua atuação remete mais a um terceiro volante do que a um meia-armador. Outro fator negativo nesse esquema é que Rogério corre muito, mas raciocina pouco. Consequentemente, ele toma decisões erradas e acaba isolado na ponta ou apenas finaliza aleatoriamente de cabeça baixa.

Jogadores assim, tecnicamente limitados, sempre podem ser substituídos. Para isso, é necessário contar com algum orçamento disponível para contratar. Se for esse o caso, vamos às compras! Todavia, se a grana estiver curta, a deficiência técnica sempre pode ser superada com a ajuda de jogadas ensaiadas e rigor tático.

É esse o objetivo ainda não alcançado de Claudinei Oliveira. Por meio do treinamento, transformar os perronhas em jogadores eficientes. Espero ver em breve menos lançamentos aleatórios e mais entrosamento. Nos próximos 30 dias, espero que a Copa não tire nosso foco da boa e velha prancheta tática.

Sport controla o jogo e vence Atlético-PR

0

Invicto na Ilha do Retiro em 2018, Sport controla o jogo e bate o Atlético-PR por 1 x 0.

Sport e Atlético-PR fizeram um interessante duelo tático na Ilha do Retiro. De um lado, os donos da casa seguiam o estilo mais reativo do treinador Claudinei Oliveira. Já os visitantes, comandados pelo ousado Fernando Diniz, buscaram um jogo mais propositivo e que valoriza a posse de bola.

Com eficiência, o Sport marcou o gol da vitória num chute de rara felicidade do volante Fellipe Bastos. Após, controlou a partida e garantiu a vitória.

PRIMEIRO TEMPO

O jogo começou com muito respeito de ambas as partes. Nenhuma das equipes conseguiu ser muito incisiva nos primeiros instantes de partida. Somente aos 13 minutos Fellipe Bastos arriscou um chute de fora da área, mas a bola saiu à direita da meta atleticana.

Até então, o time paranaense tinha mais posse de bola, mas não conseguia criar chances efetivas de gol. A primeira tentativa do Furacão também foi de longa distância. Camacho chutou e Magrão defendeu com segurança. O Leão respondeu na bola parada de Marlone. O cruzamento a meia altura foi desviado por Fellipe Bastos pela linha de fundo.

O Atlético-PR tentou ameaçar no jogo aéreo. Após cruzamento de Carleto, Wanderson ganhou no alto e cabeceou pra fora. Na sequência, o Sport chegou perto de abrir o marcador com Raul Prata, que infiltrou pela direita e chutou forte. O goleiro Santos espalmou e Marlone, no rebote, finalizou pra fora.

O time visitante continuou propondo mais o jogo, sempre pelas laterais. Marcinho e Carleto chegaram a cruzar bolas com perigo, mas os atacantes não conseguiam chegar em condições de finalizar. Por outro lado, o Leão seguiu fiel ao seu estilo de jogo até o final da primeira etapa, mas não foi capaz de encaixar o contra-ataque certeiro que planejava.

SEGUNDO TEMPO

O retorno para a etapa final foi eletrizante. Logo aos 30 segundos, Fellipe Bastos acertou um chute de muito longe. O pertado potente fez uma curva inusitada e morreu no fundo do gol de Santos. Um golaço que colocou o Sport na frente do marcador.

O gol motivou mudanças no Atlético-PR e deixou o jogo mais empolgante. Bergson, ex-Náutico, entrou no lugar de Nikão. O atacante mais descansado já conseguiu chegar na área do Sport em condições de finalizar, mas Magrão defendeu mais uma. Em seguida, em contra-ataque rápido, Rogério fez boa jogada pela direita e cruzou. Após rebatida da zaga atleticana, Gabriel dominou e bateu pra defesa de Santos.

O ritmo da partida ficou pesado e o lateral-esquerdo Evandro sentiu dores na coxa. O experiente zagueiro Durval entrou em seu lugar e alterou toda a formação da defesa leonina. Ernando foi deslocado da zaga para a lateral, fortalecendo a marcação do setor.

A partir daí, o jogo ficou mais truncado e o Atlético-PR só conseguiu ameaçar em bolas cruzadas na área. Claudinei conseguiu armar um ferrolho bem fechado na defesa e impediu que o domínio de bola dos paranaenses se transformasse em chances de gol. A única oportunidade mais clara deles aconteceu apenas aos 38 minutos, após cobrança de falta de Thiago Carleto. Pablo subiu mais alto que todo mundo e cabeceou no cantinho. Magrão praticou um milagre e salvou o Sport.

FINAL DA PARTIDA

A estratégia de Claudinei Oliveira é considerada por muitos um tanto perigosa, pois atrai o adversário para seu campo de defesa. Entretanto, ela vem dando bons resultados. De fato, o Sport conseguiu controlar o jogo até o final sem muitos sustos, apesar de ter pouca posse de bola.

Com mais essa vitória, o time soma 18 pontos ganhos, com um aproveitamento espetacular de 60%, e entrou de vez no G4.

FICHA DO JOGO

SPORT: Magrão; Raul Prata, Ronaldo Alves, Ernando e Evandro (Durval); Deivid, Fellipe Bastos, Gabriel (Neto Moura), Marlone e Rogério (Michel Bastos); Rafael Marques. Técnico: Claudinei Oliveira.

ATLÉTICO-PR: Santos; Wanderson, Thiago Heleno e José Ivaldo (Bruno Guimarães); Marcinho, Lucho González, Camacho (Bill) e Thiago Carleto; Nikão (Bergson), Pablo e Raphael Veiga. Técnico: Fernando Diniz.

GOLS: Fellipe Bastos (Sport – 1’ 2T).

PÚBLICO: 17.841.

Após duelo equilibrado, Sport e Internacional ficam no empate

0

Após duelo marcado pelo equilíbrio, Sport e Internacional ficam no empate sem gols, em Porto Alegre.

Sport e Internacional fizeram uma boa partida, no Estádio da Beira-Rio, na abertura da 9ª rodada do Brasileirão. Apesar de não poder contar com cinco jogadores emprestados pelo time Colorado, o Sport manteve a forte pegada na marcação. Isso dificultou muito as ações dos gaúchos e equilibrou o jogo. No final, o empate em 0 x 0 foi reflexo do bom desempenho defensivo do Leão da Praça da Bandeira.

PRIMEIRO TEMPO

Em boa fase, o Sport tentou manter o esquema de jogo que vinha dando bons resultados. Assim, o Inter teve a maior parte da posse de bola, mas não teve tranquilidade para armar jogadas ofensivas.

A primeira boa chance de gol do jogo surgiu aos sete minutos, após erro na saída de bola do Sport. Pottker foi lançado, venceu a disputa de bola com a zaga, mas parou numa grande defesa de Magrão. A resposta rubro-negra veio aos 15 minutos, com um chute de fora da área de Rogério. Apesar de forte, a finalização foi pela linha de fundo.

O Sport insistiu nos chutes de longa distância. Aos 19 minutos, Fellipe Bastos obrigou Danilo Fernandes a fazer boa defesa. Já aos 24, Raul Prata conseguiu um bom cruzamento pra área colorada, mas na sobra Deivid furou o chute e perdeu ótima chance.

Por sua vez, o Inter tentou explorar as laterais do campo. Num desses lances, o lateral-esquerdo Iago fez bela jogada individual e finalizou dentro da grande área do Sport. A bola subiu demais e foi para fora. Em seguida, Patrick recebeu de Lucca e chutou para mais uma bela defesa do goleiro rubro-negro.

A partida estava muito equilibrada. Aos 32 minutos, o Sport chegou mais uma vez com perigo. Rafael Marques recebeu de Prata na área adversária e chutou com estilo, mas sem direção. Na sequência, Inter respondeu na bola área. Leandro Damião ganhou no alto, mas a cabeçada bateu na rede pelo lado de fora.

A defesa do Sport conseguiu sustentar a pressão do Inter até o final do primeiro tempo. Apesar do empate sem gols, a partida foi bem movimentada.

SEGUNDO TEMPO

A partida recomeçou na mesma toada da etapa inicial. O Sport tentou surpreender com forte marcação, o que provocou erros na saída de bola do Internacional. Após um desses erros, Rafael Marques recuperou a bola e entrou na área. O chute saiu fraco e facilitou a defesa de Danilo Fernandes.

Os dois times se respeitaram muito nos primeiros minutos do segundo tempo. O jogo esquentou quando o treinador do Inter acionou o artilheiro Nico López, que entrou no lugar de Lucca. Em seu primeiro toque na bola, ele já finalizou de fora da área e Magrão defendeu com segurança.

O Leão não se intimidou. Aos 15 minutos, Marlone abriu espaços pelo meio e serviu Rogério que chutou para mais uma defesa do goleio colorado. Em resposta, o Inter quase abriu o placar após cobrança de escanteio. Na dividida entre Sander e Damião, a bola seguia pro cantinho do gol rubro-negro, mas Magrão tocou para fora.

O clima da partida esquentou e Claudinei Oliveira fez duas substituições para tentar ter mais domínio no meio-campo. Michel Bastos e Neto Moura substituíram Gabriel e Rogério. Entretanto, a pressão colorada continuou pesada, principalmente com bolas alçadas na área.

Aos 34 minutos, Nico López resolveu arriscar de longe para tentar superar a zaga rubro-negra. O forte chute do uruguaio explodiu no travessão defendido por Magrão. De fato, o trabalho do setor defensivo do Sport esteve impecável.

No ataque, o Sport só conseguiu ameaçar na bola parada de Marlone. Aos 40 minutos, ele cruzou da esquerda na cabeça de Fellipe Bastos que desviou para fora. Em contrapartida, o Inter insistiu demasiadamente no jogo aéreo, consagrando a zaga do Leão. Mesmo após 5 minutos de acréscimo, o placar ficou em branco no Gigante da Beira-Rio.

FIM DE PARTIDA

O resultado de empate fora de casa foi muito comemorado pela equipe do Sport. O resultado premiou a excelente atuação da defesa e deixa cada vez mais claro que o grupo está determinado a brigar por algo mais no campeonato.

Na próxima rodada, o Sport recebe o Atlético-PR na Ilha do Retiro na expectativa de confirmar a boa fase com mais uma vitória.

FICHA DO JOGO

SPORT: Magrão; Raul Prata, Ronaldo Alves, Durval e Sander; Deivid, Fellipe Bastos, Gabriel (Michel Bastos), Marlone (Hygor) e Rogério (Neto Moura); Rafael Marques. Técnico: Claudinei Oliveira.

INTERNACIONAL: Danilo Fernandes; Zeca, Rodrigo Moledo, Victor Cuesta e Iago; Rodrigo Dourado (Juan Alano), Edenílson, Patrick, William Pottker (Rossi) e Lucca (Nico López); Leandro Damião. Técnico: Odair Hellmann.

PÚBLICO: 31.327

Sport vence o Galo e entra no G4

0

Sport vence o Galo e entra no G4

 

Em mais uma partida emocionante, o Sport venceu o Galo Mineiro por 3×2 na Ilha do Retiro. Esta foi a quarta vitória do time rubro-negro no campeonato, o que o colocou em boa posição na tabela de classificação.

PRIMEIRO TEMPO

Sport e Atlético iniciaram o jogo num ritmo frenético e criando muitas chances de gol. Antes mesmo dos 10 minutos de jogo, os dois times já haviam chegado perto de abrir o marcador. O Galo chegou primeiro com Roger Guedes e Ricardo Oliveira, mas a defesa salvou. Já o Sport ameaçou com Rafael Marques numa cabeçada para fora.

Claudinei armou seu time com as linhas defensivas altas e muito aplicado na marcação da saída de bola do adversário. Com isso, o Galo não conseguia reter a posse de bola. Numa dessas retomadas, Anselmo lançou Rogério, que enfiou na área para Rafael Marques. O atacante dividiu com Victor mas a bola se perdeu pela linha de fundo.

O ponto negativo da defesa rubro-negra foi o jogo aéreo. O Galo chegou forte por duas vezes pelo lado esquerdo de seu ataque, aos 18 e 19 minutos. Em ambas, os atacantes atleticanos bateram a zaga pelo alto e forçaram Magrão a realizar boas defesas. Roger Guedes também ameaçou em chute de fora da área, aos 25. Magrão mais uma vez defendeu com segurança.

O Sport tentou responder na bola parada, mas deixou espaço para o contragolpe. Aos 28, Victor lançou Luan, que sairia de cara pro gol, mas Magrão corajosamente interceptou a bola de cabeça ainda fora da grande área.

Logo em seguida, Anselmo fez belo lançamento e deixou Rogério frente a frente com Victor. O atacante rubro-negro driblou o goleiro do Galo e finalizou pro gol vazio. 1 x 0 pro Leão, aos 30 minutos de jogo!

Após o gol, o Galo tentou ser mais ofensivo, mas as ações foram desordenadas e ineficazes. Com isso, o Leão voltou a ameaçar, aos 41, em chute de Fellipe Bastos. Victor bateu roupa, mas a bola acabou indo pra escanteio.

SEGUNDO TEMPO

As duas equipes voltaram do intervalo sem modificações. Entretanto, o Sport retornou sem a mesma intensidade. Logo aos 3 minutos, após uma bola cruzada na área despretensiosamente por Ricardo Oliveira, o baixinho Luan cabeceou e Cazares, em posição duvidosa, finalizou pra empatar a partida.

O Atlético manteve a pegada forte na marcação após o empate. O Sport precisou de paciência e muita troca de passes para tentar furar a defensiva dos mineiros. Mas quando o passe falhou, Roger Guedes puxou contra-ataque que terminou com a bobeira da zaga rubro-negra e a finalização de Ricardo Oliveira pra marcar o segundo gol do Atlético-MG.

O Sport respondeu rapidamente à virada. Rafael Marques recebeu na área e fez uma bel jogada de pivô. Rolou a bola pra Gabriel que chutou forte. A bola desviou em Bremer e matou o goleiro.

O empate rápido deu motivação ao Sport, que voltou a pressionar o time adversário. Na pressão, Michel Bastos tentou centralizar a bola na área, mas ela desviou no braço de Gabriel. A arbitragem demorou um pouco, mas marcou a penalidade máxima. Michel Bastos cobrou com categoria e marcou seu primeiro gol com a camisa do Sport. Leão na frente mais uma vez!

O Atlético voltou a pressionar o Sport. Aos 30 minutos, Elias recebeu na área rubro-negra, mas finalizou pra fora. Em seguida, começou a chover forte na Ilha do Retiro e o jogo ficou menos técnico. Aos 39, Magrão fez boa defesa, mas Fábio Santos estava em posição de impedimento.

FIM DE PARTIDA

O Sport mostrou frieza e conseguiu segurar bem a pressão atleticana e os sete minutos de acréscimo dados pelo árbitro no final da partida. Com mais essa vitória, assumiu, ao menos temporariamente, a terceira posição do campeonato. Na próxima rodada, o Leão viaja ao Sul do país para enfrentar o Internacional.

FICHA DO JOGO

SPORT: Magrão; Fabrício, Ronaldo Alves, Ernando e Sander; Anselmo, Fellipe Bastos (Deivid), Gabriel, Rogério (Carlos Henrique) e Marlone (Michel Bastos); Rafael Marques. Técnico: Claudinei Oliveira.

ATLÉTICO-MG: Victor; Emerson, Gabriel, Bremer e Fábio Santos; Adilson (Elias), Gustavo Blanco (Alerrandro) e Cazares; Luan (Matheus Galdezani), Roger Guedes e Ricardo Oliveira. Técnico: Thiago Larghi.

GOLS: Rogério (Sport – 30’ 1T), Cazares (Atlético-MG – 3’ 2T), Ricardo Oliveira ( Atlético-MG – 20’ 2T), Gabriel (Sport – 22’ 2T) e Michel Bastos (Sport – 26’ 2T).

PÚBLICO: 15.705

[BRASILEIRO FEMININO] Sport empata com São Francisco-BA e perde chance de entrar no G-4

0

Sport empata com São Francisco-BA e perde chance de entrar no G-4

Por Mateus Schuler*

FemininoFoto: Valter Pontes/ALLSPORTS

Empolgado por duas vitórias consecutivas, o Sport voltou a campo no Brasileirão Feminino. Na tarde desta quarta-feira (30), visitou o São Francisco-BA pela 6ª rodada e empatou por 1 a 1, com gol de Micaelly.

Com o resultado as Leoas chegam agora a oito pontos, ficando na 5ª posição. As rubro-negras voltam a campo, pela 7ª rodada, no dia 20 de junho contra o Kindermann. O jogo vai ser no Carlos Alberto Costa Neves, em Caçador, às 15h.

Se não bastasse ter a motivação dos últimos duelos, o Sport mostrou favoritismo apesar de jogar fora de casa. Na reta final do primeiro tempo, saiu à frente no placar com gol marcado por Micaelly.

Na segunda etapa, as rubro-negras sentiram mais a pressão e pouco foram criativas para ampliar. O São Francisco, porém, teve mais eficiência nas finalizações e conseguiu deixar tudo igual com Érica, mas sendo insuficiente para mudar o marcador.

*Mateus Schuler colaborou com o site Eu Pratico Sport.

Sport mostra disciplina tática e vence o Palmeiras de virada

0

De virada, na raça e com muita disciplina tática, Sport vence Palmeiras fora de casa.

Em partida válida pela 7ª rodada do Brasileirão, o Sport visitou o Palmeiras no Allianz Parque e se esforçou muito para vencer os donos da casa por 3 x 2. A partida foi marcada por um duelo tático entre os treinadores e a aplicação tática dos rubro-negros fez o time conseguir uma virada espetacular.

PRIMEIRO TEMPO

Roger Machado surpreendeu ao escalar seu time sem um homem de referência. Ao invés disso, ele colocou mais um jogador de meio-campo e conseguiu dominar as ações naquele setor. A velocidade de Keno e Dudu também deu trabalho à defesa rubro-negra.

Já o Sport tentou insistentemente fazer levantamentos pra área em direção a Rafael Marques. Muito isolado, o centroavante não conseguiu aproveitar os cruzamentos.

A primeira chance de gol mais clara foi do Palmeiras. Aos 18, após falha de Ronaldo Alves, Dudu chutou da entrada da área, mas a bola foi pela linha de fundo. Em seguida o Palmeiras também apelou pra bola parada. Marcos Rocha cruzou e Antonio Carlos subiu alto pra cabecear. Magrão fez bela defesa.

O Palmeiras começou a gostar mais da partida e criou mais oportunidades no final do primeiro tempo. Aos 31, Keno recebeu na grande área, mas chutou pra fora. Um minuto depois, ele recebeu cruzamento de Diogo Barbosa e finalizou na pequena área sem chances pra Magrão. 1×0 pro Palmeiras.

O gol sofrido não alterou a estratégia de Claudinei Oliveira. Aos 37, em mais um lance de bola parada, Marlone levantou pra cabeçada de Ronaldo Alves. O goleiro Jailson defendeu com facilidade.

SEGUNDO TEMPO

O Sport voltou pra segunda etapa mais ousado. Rogério entrou no lugar de Neto Moura e deu mais ofensividade e velocidade ao ataque do Leão. A mudança deu resultado logo aos 5 minutos. Após cobrança de escanteio, Anselmo cabeceou no travessão. No rebote, ele mesmo chutou para o fundo da rede e empatou a partida.

A partida ficou muito aberta após o empate. No Palmeiras, Keno puxava bons ataques em velocidade, enquanto Marlone tentava colocar os atacantes do Sport em condições de finalização. Mas o ritmo foi diminuindo à medida que o cansaço aumentava.

Roger Machado trouxe sangue novo ao seu time com Hyoran e Papagaio, que entraram nas vagas dos apagados Guerra e Lucas Lima. O tiro saiu pela culatra! Aos 27 minutos, após boa abertura pela esquerda, Marlone rolou para Anselmo. O volante entrou na área palmeirense como elemento surpresa e finalizou pra virar a partida.

Isso fez com que o Sport retomasse a postura mais defensiva, na busca por um contra-ataque certeiro. O jogo ficou nervoso e o Palmeiras pressionou muito até que, aos 36, Hyoran acertou um chute espetacular de fora da área. Magrão chegou a tocar na bola, mas ela morreu no fundo da rede.

A bola parada castigou o Palmeiras. Aos 41 minutos, Marlone cobrou escanteio certeiro na cabeça de Rafael Marques. O ex-palmeirense aproveitou a falha de posicionamento da zaga e comemorou muito seu primeiro gol pelo Sport.

O jogo foi até os 52 minutos do segundo tempo. Deu tempo para Dudu perder um gol feito no bico da pequena área. Em seguida, Raul Prata cometeu falta em Dudu dentro da área. Keno foi pra cobrança da penalidade máxima, mas do outro lado estava o maior goleiro do Brasil. Magrão defendeu a penalidade e consagrou a vitória do Sport.

DISCIPLINA E RAÇA

Com o resultado positivo e que muitos consideravam inesperado, o Leão assumiu a 6ª posição na tabela de classificação. Na próxima rodada, o Sport vai encarar o Atlético-MG, na Ilha do Retiro, sob grande expectativa da torcida.

FICHA DO JOGO

SPORT: Magrão; Cláudio Winck (Raul Prata), Ronaldo Alves, Ernando e Sander; Anselmo, Neto Moura (Rogério), Felpipe Bastos, Gabriel e Marlone; Rafael Marques. Técnico: Claudinei Oliveira.

PALMEIRAS: Jailson; Marcos Rocha, Antonio Carlos, Edu Dracena e Diogo Barbosa; Felipe Melo (Deyverson), Bruno Henrique, Alejandro Guerra (Papagaio) e Lucas Lima (Hyoran); Keno e Dudu. Técnico: Roger Machado.

GOLS: Keno (Palmeiras – 32’ 1T); Anselmo (Sport – 5’ e 27’ 2T); Hyoran (Palmeiras – 36’ 2T); Rafael Marques (Sport – 41’ 2T).

PÚBLICO: 25.947

Sport empata com Corinthians na Arena Pernambuco

0

Sport e Corinthians se enfrentaram pela 6ª rodada do Campeonato Brasileiro 2018, na Arena Pernambuco, e ficaram no empate.

A atuação do Leão demonstrou que Claudinei Oliveira já conseguiu impor seu estilo de jogo. Na próxima rodada, o Leão viaja até São Paulo, onde encara o Palmeiras no próximo sábado. Já o Corinthians, terá compromisso contra o Millonarios pela Libertadores na quinta-feira.

RESUMO DO JOGO

A partida começou com o Corinthians adiantando as linhas defensivas e marcando forte a saída de bola do Sport. Isso provocou uma série de erros de passe do meio-campo leonino. O Corinthians tentou se aproveitar, explorando principalmente o lado direito de seu ataque. Foi por ali que, aos 7 minutos, o lateral Mantuan fez bela jogada individual e quase abriu o marcador.

A resposta do Sport veio dois minutos depois em contra-ataque rápido. Rafael Marques recebeu na ponta direita e tocou pra Everton Felipe, que cruzou para a finalização de Gabriel. A bola subiu demais e saiu pela linha de fundo. Aos 22, Rogério desperdiçou uma chance ainda mais clara. Após receber de Neto Moura dentro da pequena área, chutou em cima do goleiro adversário.

O Sport conseguiu equilibrar a posse de bola, mas as oportunidades de gol ficaram mais raras. Apesar dos esforços, faltou muita criatividade aos homens de meio-campo. Assim, os times foram para o intervalo com o placar em branco.

SEGUNDO TEMPO

A etapa final começou com a mesma falta de criatividade do primeiro tempo. Aos 10 minutos, somente na bola parada o placar saiu do zero na Arena. Após cobrança de escanteio de Matheus Vital, Roger subiu sozinho e cabeceou pro gol. A lei do ex prevaleceu: Timão 1x 0.

O gol sofrido fez com o treinador rubro-negro se apressasse em mexer no time. Everton Felipe foi substituído por Carlos Henrique. Logo em seguida, Claudio Winck cobrou falta com violência e obrigou o goleiro Walter a realizar uma defesa difícil.

A mudança tática de Claudinei deu resultado aos 18 minutos. Rogério, jogando pela ponta direita, cruzou de cabeça erguida. O centroavante Carlos Henrique, especialista da posição, dominou na área e fez valer sua força física pra chutar no canto direito de Walter. Tudo igual na Arena Pernambuco.

Fábio Carille também reagiu ao gol e colocou Maycon em campo, no lugar de Paulo Roberto. Apenas um minuto depois, o volante corinthiano apareceu na área, mas chutou fraco pra defesa de Magrão. A jogada aérea do time paulista continuou forte e, após cruzamento de Maycon, Anselmo falhou e deixou Henrique dominar na área. Por sorte, o domínio foi ruim e Anselmo se recuperou para realizar o corte providencial.

O Sport promoveu as estreias de Michel Bastos e Deivid. Com isso o time melhorou e tomou as rédeas da partida. Aos 32 minutos, Sander recebeu na ponta-esquerda e chutou forte. A bola desviou na zaga e foi pra fora. Michel Bastos cobrou o escanteio e Deivid apareceu no primeiro pau. O cabeceio passou perto da meta adversária.

FIM DE PARTIDA

Assim como na etapa inicial, o ritmo do jogo diminuiu nos minutos finais do segundo tempo. Os dois times se respeitaram demais e criaram pouco no final da partida. O empate em 1×1 acabou refletindo o equilíbrio que marcou o jogo.

Pelo lado corinthiano, o resultado foi interessante, uma vez que vários titulares foram poupados. Já para o Sport também não foi uma tragédia, pois o futebol apresentado diante do atual campeão brasileiro deixou claro que o Leão pode ser bastante eficiente quando joga em casa.

FICHA DO JOGO

SPORT: Magrão; Cláudio Winck, Ronaldo Alves, Ernando e Sander; Anselmo, Neto Moura (Deivid), Gabriel, Everton Felipe (Carlos Henrique) e Rogério (Michel Bastos); Rafael Marques. Técnico: Claudinei Oliveira.
CORINTHIANS: Walter; Mantuan, Pedro Henrique, Henrique e Juninho Capixaba; Gabriel, Paulo Roberto (Maycon) e Matheus Vital (Emerson); Junior Dutra, Pedrinho (Marquinhos Gabriel) e Roger. Técnico: Fábio Carille.

GOLS: Roger (Corinthians – 10’ 2T) e Carlos Henrique (Sport – 18’ 2T).

PÚBLICO: 28.942 presentes.

[VIDEO] Sport se impõe na Ilha e vence clássico contra o Bahia

0

Sport se impõe na Ilha e vence clássico contra o Bahia

O Sport recebeu o Bahia pela 4ª rodada do Brasileirão 2018 na Ilha do Retiro e se deu bem. Com uma vitória convincente, os comandados de Claudinei Oliveira chegaram a sete pontos e agora figuram em 8º lugar na tabela de classificação. Destaque para o setor defensivo que, pela primeira vez nessa Série A, conseguiu terminar uma partida sem tomar gols.

PRIMEIRO TEMPO

O Sport começou o jogo com pouca posse de bola. Com isso, o Bahia arriscou mais e chegou a ameaçar a meta do Leão. Primeiro, Elton tentou de cabeça, mas a finalização foi interceptada pela zaga adversária. Em seguida, Edigar Junio recebeu de Élber na área e chutou cruzado para a defesa de Mailson.

Os erros de passe se sucediam na saída de bola do time rubro-negro, mas aos poucos o volume de jogo do Sport começou a aparecer. Com isso, o time baiano também começou a errar passes e a partida ficou truncada. Somente aos 21 minutos, o Sport conseguiu finalizar na direção do gol com Marlone, mas a tentativa parou nas mãos de Douglas.

Diante dessa dificuldade, uma boa opção pro Sport era a bola parada. Aos 26, Marlone arriscou da ponta esquerda e Douglas mandou pra escanteio. O Sport tentou colocar pressão e teve três escanteios seguidos a seu favor. No último a bola sobrou na entrada da grande área pra Sander que chutou perigosamente pra fora.

A primeira etapa só não passou em branco por conta de uma falha generalizada do setor defensivo do Bahia. Após cruzamento despretensioso de Marlone, Everson cortou contra a própria meta. A bola caprichosamente bateu na trave, mas na volta desviou no goleiro Douglas e morreu no fundo gol do Bahia.

SEGUNDO TEMPO

O jogo recomeçou como estava no final do primeiro tempo, com o Sport explorando as laterais do campo e pressionando o Bahia. Infelizmente, o último passe não estava muito certeiro. Logo no primeiro minuto, Rogério cruzou da direita, Marlone se esticou todo mas não encontrou a bola. Um minuto depois, Sander recebeu pela esquerda e chutou em cima de Douglas que mandou pela linha de fundo. Na cobrança de escanteio, Cláudio Winck recebeu a sobra e acertou um belo chute pra ampliar o marcador.

Com dois gols de desvantagem, o time tricolor tentou partir pra cima dos donos da casa, porém o setor defensivo do Sport estava muito bem postado. Mérito do Prof. Claudinei! Enquanto isso, os rubro-negros seguiam ameaçando a meta baiana com contra-ataques velozes e cobranças de faltas e escanteios.

Guto Ferreira tentou ser mais ofensivo com a entrada de Régis e Ítalo. A aposta deu resultado e, aos 19 minutos, Régis chegou a acertar a trave num chute da entrada da área. Porém, em pouco mais de 11 minutos, Ítalo tomou dois cartões amarelos e foi expulso do jogo. O Sport então voltou a ameaçar o gol adversário. Primeiro com um chute de Everton Felipe, que havia acabado de entrar no lugar de Neto Moura. No rebote, Felippe Bastos parou em mais uma boa defesa de Douglas.

Com um jogador a mais, o Leão controlou o restante da partida e garantiu três pontos muito valiosos. A sequência dos próximos jogos do Sport é ingrata, mas a boa fase da equipe pode ajudar.

FICHA DO JOGO

SPORT: Mailson; Cláudio Winck (Fabrício), Ronaldo Alves, Ernando e Sander; Anselmo, Neto Moura (Everton Felipe) e Felippe Bastos; Gabriel, Marlone e Rogério (Carlos Henrique). Técnico: Claudinei Oliveira.

BAHIA: Douglas; Nino, Everson, Lucas Fonseca e Léo; Gregore, Elton, Vinicius (Régis), Zé Rafael (ítalo) e Élber; Edigar Junio (Junior Brumado). Técnico: Guto Ferreira.

GOLS: Douglas (contra), 44’ 1T; Cláudio Winck, 3’ 2T

PÚBLICO: 15.165 presentes

[VIDEO] Sport vence Salgueiro mas não empolga a torcida

0

Em noite melancólica, Sport venceu o Salgueiro por 3 x 0 e ficou com o terceiro lugar no Pernambucano 2018.

Na prática, o resultado não significou absolutamente nada, uma vez que já foi confirmado que, em 2019, o Leão não vai participar da Copa do Nordeste e a vaga para a Copa do Brasil já estava assegurada pela posição do time no ranking da CBF.

Primeiro Tempo

Foi necessário um esforço tremendo por parte do torcedor para conseguir manter-se acordado nos primeiros 45 minutos de partida. Os minutos iniciais mostraram que o Sport dominava as ações da partida, mas errava muito no chamado último passe. Por isso, as chances foram bem minguadas e a maioria das finalizações não foram na direção do gol.

Aos 18 minutos, a melhor chance do Sport na primeira etapa foi desperdiçada por Raul Prata. Após boa jogada de Pablo, o lateral chutou em cima de Mondragon. Aos 31, foi a vez de Gabriel receber boa bola na entrada da área do Salgueiro. Porém, a finalização saiu fraca e pra fora.

Perto do final do primeiro tempo, a torcida rubro-negra ficou mais alerta, mas isso não teve relação direta com a partida em si. Acontece que um timbu maroto subiu nas grades das arquibancadas e se juntou aos gritos de “time sem vergonha” que vinham das sociais.

Segundo Tempo

Após merecidas vaias, os times retornaram a campo sem alterações. O reinício foi até promissor. Logo aos 3 minutos, o Salgueiro teve uma boa oportunidade, mas o chute de Dadá foi pra fora. Logo em seguida, Everton Felipe também arriscou um chute, mas parou nas mãos do goleiro do Salgueiro.

Aos 8, finalmente o torcedor esforçado que acompanhava essa partida foi agraciado com um gol. Marlone recebeu lançamento na entrada da área e, de peito, colocou Pablo na cara do gol. O jovem atacante chutou por entre as pernas do goleiro e comemorou muito.

Parecia o fim da sofrência, mas o festival de jogadas horrorosas continuou. Aos 16, Everton Felipe mostrou que ainda não ganhou ritmo de jogo e perdeu um gol feito. Aos 24, após receber lançamento dentro da área do Salgueiro, o menino Pablo também maltratou a bola. O chute saiu mascado e facilitou a defesa do goleiro.

Aos 29 minutos, finalmente saiu o segundo gol do Leão. Após cobrança de escanteio, Anselmo desviou de leve e a bola sobrou livre para Léo Ortiz que mandou pras redes. A porteira salgueirense ficou aberta e aos 33 Pablo fez mais um. Aproveitando cruzamento do lateral Sander, o atacante finalizou de letra e marcou o terceiro gol do Sport.

De Olho no Futuro

Nelsinho aproveitou o restante da partida para dar oportunidade aos jovens jogadores da base. Eldder e Brendo entraram nos lugares de Everton Felipe e Marlone. Aliás, este último foi outra vez o melhor jogador do time, responsável pela armação das principais jogadas ofensivas.

O resultado foi positivo, mas o pessimismo ainda toma conta dos torcedores do Sport. A duas semanas da estreia no Brasileirão, o elenco ainda precisa de reforços pontuais. Até lá, sobram muitas críticas à atual gestão.

FICHA DO JOGO: SPORT 3 X 0 SALGUEIRO

Sport: Magrão, Raul Prata, Ronaldo Alves, Léo Ortiz, e Sander; Anselmo, Neto Moura (Fabrício), Marlone (Brendo), Gabriel e Everton Felipe (Eldder); Pablo. Técnico: Nelsinho Baptista.
Salgueiro: Mondragon, Escuro, Maurício, Luís Eduardo e Juninho (Izaldo); Peu, Jaíldo (Fabiano), Alexon (André) e Dadá Belmonte; Néverton e Willian. Técnico: Sérgio China.

Gols: Pablo 8’ e 33’ 2T e Léo Ortiz 29’ 2T
Público: 932 torcedores.

Últimas