[Coluna] Henrique Santos: “Filme repetido”