[Mercado] Laterais: as maiores urgências do Leão


Sander é força, mas a necessidade é de aliar com técnica. (Foto: Sport).

 

Clube tem insistido nas mesmas peças para a posição, mesmo estas mostrando limitações há temporadas

 

Lucas Araújo

 

Uma das maiores fragilidades da equipe do Sport neste início de temporada, a defesa leonina sofreu onze gols em onze jogos, média de um gol por jogo, sendo todas as partidas disputadas contra equipes da segunda divisão para baixo. Se por um lado sabe-se que resultados abaixo do esperado são coisas normais no futebol, o mesmo não pode ser dito quando já se conhece a limitação das peças utilizadas e ainda assim se insiste nas mesmas. E as laterais do Leão são um exemplo disso no elenco atual.

Titulares em 2020, Raul Prata e Sander estão no clube desde 2017. No ano em questão, largaram atrás de Samuel Xavier e Mena na disputa das respectivas posições, vindo a ganhar a vaga no decorrer do Campeonato Brasileiro onde o Leão acumulou problemas internos e não foi rebaixado por um triz mesmo com o plantel mais caro de sua história. Mantiveram-se no posto de titulares em 2018, ano em que o Rubro-negro fracassou em todas as competições e demonstraram mais uma vez uma escassez de recursos técnicos para ajudar a reverter a situação.

Prata é cobrado por atuações melhores. (Foto: Sport)

Sempre tendo chamado a atenção pela entrega e dedicação, o lateral esquerdo Sander caiu nas graças de parte da torcida. As características citadas são bastante positivas, no entanto insuficientes para disputar uma primeira divisão em um bom nível. A dificuldade em fundamentos básicos para a posição, como cruzamentos e até passes, além dos recorrentes equívocos na tomada de decisão são fatores que podem ser compensados pela raça numa Série B (a exemplo de 2019), mas que comprometem numa Série A.

Na disputa do Campeonato Pernambucano e da Copa do Nordeste deste ano, as expulsões infantis contra Náutico e Imperatriz já foram prejudiciais ao time, que vencia as partidas e levou o empate nas duas ocasiões. A contratação de um novo atleta para o setor, que chegue para assumir a titularidade e possa suprir tais carências seria importante para um avanço no nível técnico do Sport, que abriu mão do que poderia ser uma boa alternativa: o bom, jovem e barato Vicente.

O mesmo pode ser notado na lateral direita. Raul Prata saiu da reserva do contestado Norberto na maior parte de 2019, para titular no ano em que o clube disputa a primeira divisão. Campeonato esse em que o próprio jogador já atuou pelo Leão duas vezes e em nenhuma delas se destacou, tendo sido um ‘‘feijão com arroz’’ em 2017 e abaixo disso em 2018.

Apesar de promissor, o prata da casa Ewerthon ainda é inexperiente e não demonstrou estar pronto para assumir a posição no Brasileiro. Com o nacional batendo na porta, se faz necessário também que a diretoria leonina procure um novo lateral direito, que possa elevar a qualidade no setor. Uma melhoria nas laterais faria notável diferença no atual Sport, considerando a carência demonstrada até aqui tanto ofensivamente como defensivamente, e a inexperiência dos suplentes imediatos.