COMPARTILHAR

(Foto: Sport Recife)

 

Ontem eu deu uma lida nas redes sociais, como sempre, para olhar a opinião da torcida rubro-negra e uma me chamou mais a atenção pelo seu conteúdo. Em resumo, a mensagem dava conta de que nunca esperava o título da Série B e que o clube entrou apenas para se classificar para a elite do ano que vem. Dizia ainda que o resto era irrelevante.

Podemos perceber o tom de descrédito que o torcedor do Sport vem a cada rodada trabalhando na sua mente para sofrer menos. Ele tem, a cada dia, se apequenado quando o assunto é o futebol que o Sport vem jogando. Por falar nisso, contra alguns que vêm dizendo que a Série B está equilibrada (e não terminam a frase dizendo que é um equilíbrio medíocre) venho afirmando que temos um time que atua apenas em um tempo. E isso é pouco para a grandeza que o clube representa no cenário nacional. Alguns estão se esforçando para acreditar no contrário. Treino? Erros do comandante? Falta de capacidade do elenco? Salto alto? Problemas táticos? Problemas técnicos? Cansaço? Desculpas? Falta de visão? Falta de foco? Zona de conforto? Acho que poderíamos juntar um pouquinho das respostas e colocá-las em um mesmo lugar.

Dizer que o Leão tem um bom elenco (e um dos melhores da Série B 2019) pode soar até como uma premissa verdadeira, mas, diante de tudo, “o castelo” já começa a ruir no sentido de não ter força para manter a construção desta frase nos quatro cantos do Recife. A competência, que passa longe da campanha neste ano, é que tem que ser brindada com horas e glórias.

Ontem, mais uma vez, o Sport demostrou a falta de capacidade de gerir um resultado fora de casa. Jogou apenas um tempo, “como é de lei”, e deixou a torcida acreditar em mais uma desculpa do “placar injusto” quando na verdade faltou foi brilho, força, vontade, garra e competência.

De desculpas sobre desculpas como esta acima, o pote vai enchendo e acabando com a esperança do torcedor de terminar o ano alegre. Esse time pode até subir, e deve ser assim o final do ano, mas vai deixar mais problemas na cabeça de todos do que mesmo soluções. Ao final da festa, quando a ressaca passar, o que vai ficar é a ideia que o time ficou devendo: pela estrutura, história, camisa e, principalmente, pela sua torcida.

Seguindo a tradição herdada, lutar para ser campeão deveria ser regra para todo rubro-negro que se diz vencedor (independente da divisão), e o contrário disso deveria ser combatido. Quem luta para ser campeão – mesmo sem conseguir êxito – deixa a mensagem positiva de lutador, ao final da história, pelo suor apresentado no manto defendido. O contrário, não.

Pratique Sport com a gente!