COMPARTILHAR

Thyere não enfrenta um momento fácil. (Foto: Anderson Stevens/Sport Club do Recife)

As atuações inconstantes da defesa rubro-negra fizeram Guto Ferreira optar por  mexer na dupla que compôs a zaga durante o ano quase que inteiro

Lucas Araújo – Recife/PE

Após rompimento dos ligamentos do joelho do zagueiro Chico, Rafael Thyere assumiu a titularidade na zaga leonina ao lado do prata da casa Adryelson, formando a dupla que conquistou o título estadual e atuou durante a maior parte da Série B na campanha de busca por consolidação no G4. Durante a maior parte do ano, os zagueiros não foram alvos de crítica e desconfiança por parte da torcida rubro-negra, porém nas últimas rodadas as falhas no sistema defensivo mudaram esse cenário.

Depois da parada para a Copa América, o Leão viveu seu período de maior turbulência dentro da competição, chegando a bater na 10ª posição. E mesmo voltando a se encontrar e ocupando hoje o terceiro lugar, alguns erros visíveis tem chamado atenção no desempenho da equipe. O maior de todos, sem dúvidas, é a irregularidade, que pode ser ilustrada com o fato do time comandado por Guto Ferreira não ter conseguido encaixar uma sequência de três vitórias seguidas nos 26 jogos que realizou pela segundona. Enquanto o líder Bragantino e o vice-líder Atlético Goianiense tomaram apenas 14 e 19 gols, respectivamente, o Sport foi vazado 25 vezes, o que inegavelmente atrasou a equipe na classificação e contribuiu para essa inconstância, não à toa os pernambucanos tem menos vitórias do que os dois primeiros colocados.

Adryelson e Chico formataram bons momentos com a camisa do Leão.(Foto: Anderson Stevens/Sport Club do Recife)

Depois dos erros, a mudança…

Diante da imperfeição no setor defensivo, Guto decidiu promover uma mudança na penúltima rodada: sacou Adryelson da titularidade e deu a vaga ao Eder. Desde sua estreia, contra o CRB, no primeiro turno, o camisa 30 tem demonstrado bastante regularidade e frieza nas vezes em que jogou em sua posição, tendo feito partidas fracas somente quando foi escalado improvisado na lateral esquerda. No duelo frente ao Operário, por exemplo, cometeu pênalti e foi expulso, mas enquanto esteve em campo fez um bom jogo e no lance da penalidade ele se viu na obrigação de corrigir um erro de Thyere.

Afinal, quem deve sair?

Dada a boa performance de Eder e da fragilidade demonstrada na zaga, é válida e justificada a opção de Guto pela mudança. A grande questão é: qual dos dois zagueiros deveria sair? Preterido, Adryelson tem cometido erros na saída de jogo, fundamento tido como um dos pontos fortes de Rafael Thyere. No entanto, o camisa 15 também não vem fazendo atuações convincentes, tendo falhado em gols sofridos pelo Leão nos últimos dois jogos consecutivos e sendo mais criticado até do que Adryelson.

O que pesa a favor de Thyere é aparentemente ter mais a confiança do treinador. Além de ser mantido na titularidade, Rafael já trabalhou anteriormente com Guto Ferreira na Chapecoense, e na ausência de Sander, o zagueiro foi escolhido para ser capitão da equipe, fatos que fortalecem a tese de que o atleta tem o respaldo do técnico e deve continuar sendo escalado.

As opções de Guto…

Porém, caso as atuações continuem deixando a desejar e seus erros continuem culminando em gols sofridos, a preferência de Guto precisa ser revista. Restam como opções o próprio Adryelson que deu conta do recado ao entrar contra o Operário para suprir a lacuna de Eder, Cleberson que não conseguiu convencer nas vezes em que foi escalado, mas demonstrou qualidade no jogo aéreo e o prata da casa Chico, que agradou nas primeiras partidas do ano até se machucar e não voltou a ter oportunidades.

Pratique Sport com a gente!