[Sport] Derrota no sertão volta a evidenciar carências no elenco

(Foto: Sport)


Poucos se salvaram em mais um jogo ruim do Leão neste fraco início de ano

 

Lucas Araujo

 

Na noite desta quarta-feira (26) o Sport visitou o Salgueiro pela 6ª rodada do Campeonato Pernambucano, sendo a décima segunda partida da equipe no ano e a sétima disputada com a equipe considerada titular. A derrota por 2×1 deixou os números ainda mais assustadores no pior início de temporada leonino no século: apenas duas vitórias em doze jogos, somente uma conquistada com os titulares.

E a atuação rubro-negra mais uma vez mostrou que as estatísticas negativas não são por acaso. Um time inoperante ofensivamente, inseguro defensivamente, que mesmo com alguma mudança na proposta de jogo, esbarra em problemas de limitação técnica. Uma prova de que os problemas vão além da mudança no comando técnico.

Na defesa do Leão, apenas Luan Polli teve uma participação positiva. Um setor que demonstra deficiências desde a segunda divisão do ano passado e a diretoria optou por não reforçar mesmo entrando num ano de disputa da Série A, teve outra exibição em que os laterais não foram eficazes no apoio e deixaram a demonstrar no suporte defensivo, com o pênalti do primeiro gol tendo sido cometido por Sander e a jogada do segundo gol iniciada em cima também do camisa 12.

Sem Rafael Thyere, o miolo de zaga foi composto por Cleberson e Adryelson. Novamente a dupla não passou segurança, ratificando a necessidade de reforçar a posição e deixando cada vez mais explícita a decaída de Adryelson, que não tem mantido o mesmo nível de quando se firmou como titular em 2018 e 2019.

Na cabeça de área, João Igor e Betinho iniciaram jogando. O primeiro foi mais participativo e auxiliou sobretudo com força física, ajudando na proposta inicial de valorizar a posse de bola, enquanto o segundo esteve apagado e saiu no intervalo para entrada de Jean Patrick. A falta de inspiração no ataque começou pela fraca atuação de Lucas Mugni, que mais uma vez não fez um bom jogo. Buscando explorar os contra-ataques e as pontas, o Sport tinha em Leandro Barcia a sua ilha de lucidez na frente, sendo inclusive o autor do gol. No outro lado,  Ewandro demonstrava o oposto, sendo muito acionado e errando bastante a execução e conclusão de jogadas. Apesar da boa participação no lance do gol, Hernane também não fez um bom jogo e as entradas de Yan e Marquinhos, apostas de Daniel Paulista para renovar o desempenho ofensivo da equipe, não deram retorno.